Qual a importância do profissional de Recursos Humanos?

Oferecido em grau superior tecnológico, o curso de Recursos Humanos da Faculdade Laboro em suas unidades em São Luís, tem duração de dois anos. Com foco em formar um profissional com autonomia intelectual e sensibilidade ao relacionamento interdisciplinar, o curso prepara os alunos para ingressarem rapidamente no mercado de trabalho. Mas o que faz um profissional de Recursos Humanos?

Cuidar das pessoas. Este é o papel primário de um profissional do setor de Recursos Humanos (RH). Primário porque vai muito além do que apenas recrutar, treinar e calcular as folhas de pagamento, o RH é responsável pela implantação de ambientes corporativos favoráveis à criação, produtividade e bem-estar, criando iniciativas para valorizar, motivar e reter os talentos da empresa. O RH é a base para o desenvolvimento das pessoas e da própria organização, através do alinhamento de propósito e das práticas de gestão que sustentam esse elo.

O Recursos Humanos pode e deve ser considerado um dos mais importantes pilares de uma organização. É por meio do trabalho dos profissionais dessa área que se torna possível traçar alinhadas ao negócio e estratégia da empresa, reter talentos, treinar e desenvolver especialistas nas mais diversas áreas e manter a empresa competitiva no mundo corporativo.

Na Faculdade Laboro você encontra o curso de Recursos Humanos com os melhores professores do mercado, preparados para formar novos gestores de RH. Com rápida inserção no mercado, esta graduação é a chance que você esperava de alavancar sua carreira de forma rápida e assertiva. Então aproveite nossas promoções e vem conhecer mais sobre o curso clicando AQUI

 

 

1 Comment
One Trackback:

[…] Qual a Importância do Profissional de Recursos Humanos? […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação Elitizada ou Direito para todos

Compreendendo que dentro da educação existe o extremismo, que perambula por muitos ambientes e de vários contextos, o que torna imensamente complicado falar de acesso