Produção e Inovação: Como os Desenhos Animados influenciam na Alimentação das Crianças

Este texto é fruto da disciplina de Pós-Graduação “Produção e Inovação Científica” ministrada como último módulo para a formação dos alunos da Laboro. Nela, os alunos aprendem como aplicar conceitos e ferramentas de forma assertiva e criativa para fomentar a inovação na ciência.

Autores: Monica Ferreira Lima; Rosana Barbosa Ferreira

Alunas do Curso de Pós-Graduação em Nutrição Clínica Funcional e Fitoterápica

Orientadora: Profª Ma. Juara Castro

Mestra em Comunicação (UFG). Graduada em Comunicação Social- Relações Públicas (UFMA).

Modificações no comportamento alimentar se impõem para prevenir doenças relacionadas à alimentação e promover a saúde do indivíduo. Uma vez que é na infância que o hábito alimentar se forma, é necessário o entendimento dos seus fatores determinantes, para que seja possível propor processos educativos efetivos para a mudança do padrão alimentar da criança. (RAMOS. SREIN, 2000).

Atualmente, as crianças permanecem mais tempo em frente à televisão. Vários estudos destacam aumento da prevalência de excesso de peso proporcional ao tempo despendido em frente à televisão, devido à inatividade aliada ao maior consumo de alimentos. (MIIOTTO. OLIVEIRA., 2006). Com o avanço da tecnologia, facilitou-se a comunicação entre os desenhos animados e as crianças, os mais usados seriam os celulares, televisão, tabletes, computadores, internet entre outros. São através dessas ferramentas que são transmitidos estímulos audiovisuais, podendo influenciar nos hábitos alimentares, beneficiando ou prejudicando esses expectadores.

Muitos autores de desenhos animados tem a sabedoria de conquistar a atenção da criança assim deixando ele mais tempo conectado, alguns personagens mostram que gostam de frutas, outros de doces e outras guloseimas. O tipo de mensagem a que a criança é exposta parece influenciar a resposta ao alimento. Um estudo com pré-escolares usou contos adaptados com mensagens sobre o consumo de hortaliças. Foram usadas mensagens positivas (“se você comer hortaliças, ficará saudável”) ou negativas (“se você não comer hortaliças, ficará doente”), e, após a exposição à mensagem positiva, houve maior consumo do lanche oferecido à base de hortaliça. (JUZWIAK, 2012).

Quando não há excesso essa permissão que as crianças têm de viver juntos com os personagens, pode promover melhoras no aprendizado. Observou-se em estudos que existe uma grande influência dos desenhos animados na vida da criança. Com isso um alerta para os pais, antes de permitir que o filho assista um desenho, avalie o perfil da mídia, podendo dessa forma prevenir diversos problemas de saúde, como obesidade infantil, desnutrição, diabetes, e deficiências de vitaminas e minerais.

 

REFERÊNCIAS

JUZWIAK, R.C. Era uma vez um olhar sobre o uso dos contos de fada como ferramenta de educação alimentar e nutricional. 2012.

MIOTTO. A. C; OLIVEIRA. A. F. A influência da mídia nos hábitos alimentares de crianças de baixa renda do Projeto Nutrir. Rev Paul Pediatria 2006;24(2):115-20.

RAMOS. M; STEIN. L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil, J. pediatra. (Rio J.). 2000; 76 (Supl.3): S229

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como se aprende a Ensinar

Como se Aprende a Ensinar?

  Para se refletir sobre “Como se aprende a ensinar” é necessário perguntar se “ensinar é o mesmo que ser professor?”. Como se sabe a