Gengibre: a diversidade de benefícios e suas aplicações a saúde humana

O gengibre é uma raiz bastante utilizada no tratamento de gripes, resfriados e para o aumento da termogênese corporal. Porém a aplicação do gengibre mostra-se além desses benefícios. O gengibre possui uma gama de benefícios a saúde humana, podendo se destacar a atividade anti-inflamatória, antibacteriana, antimicrobiana, antioxidante e antitumoral.

Este texto é fruto da disciplina de Pós-Graduação “Produção e Inovação Científica” ministrada como último módulo para a formação dos alunos da Laboro. Nela, os alunos aprendem como aplicar conceitos e ferramentas de forma assertiva e criativa para fomentar a inovação na ciência.

Autor: Gabriel Romulo Rego Rodrigues de Macedo, aluno do curso de Pós Graduação em Nutrição Clínica e Funcional, da unidade Brasília – DF.

Conhecido no Brasil como gengibre, mangarataia ou ginger, o zingiber officinalle Roscoe. é uma planta originária da Ásia tropical que pode chegar até 1,5 m de altura, possui o caule articulado e é um rizoma horizontal com ramificações laterais. O gengibre é uma raiz bastante utilizada na medicina tradicional chinesa há milênios, para o tratamento de gripes, resfriados e problemas digestivos, além do seu potencial termogênico, desde então diversos estudos demonstram a eficácia dos compostos bioativos dessa poderosa raiz. É conhecido por possuir propriedades anti-inflamatórias, antioxidante, analgésica, antitumorais, antiplaquetária, reduzir a proliferação de células anormais, auxilia no tratamento de problemas digestivos, diminui náuseas durante a gestação e durante o tratamento de neoplasias e é usado em diversos pratos na culinária e bebidas ao redor do mundo (SUS CAMPINAS, 2018; NICÁCIO et al., 2018; FOUDAH et al., 2020).

O gengibre possui uma grande versatilidade de utilização devido as suas propriedades medicinais. A raiz pode ser consumida seca ou fresca, na forma de infusão, tintura, óleo essencial ou extrato seco. A família do zingiber officinalle R. possui mais de 190 tipos de óleos essenciais, 85 tipos de gingerol e 28 compostos diarilheptanoides.  A qualidade nutricional do gengibre pode variar de acordo com a localidade de cultivo. De forma geral, o gengibre é fonte de vitaminas do complexo B, vitamina C, minerais, polissacarídeos e aminoácidos (NICACIO et al, 2018; LIU et al., 2019).

Possui inúmeros compostos bioativos, como o gingerol, cineol, broneol, shogaóis, zingibereno, falandreno, acanfeno, dentre outros.  Os compostos mais numerosos presentes no gengibre são os pertencentes aos grupos do gingerol, que dá a característica picante ao gengibre e o shogaois (6-gingerol; 8-gingerol; 10-gingerol e o 6-shogaol). A quantidade de 6-gingerol presente é um fator crucial para definir a qualidade do gengibre (MAO et al., 2019).

LIU e et al., 2019, reiteram que a utilização da raiz possui efeito antimicrobiano, antioxidante, anticâncer, reduz a fadiga muscular, antidiabético, anti-inflamatório, antivírus, neuro protetor, antialérgico, hepatoprotetor, cardioprotetor e antialérgico. O óleo essencial de gengibre auxilia na redução do quadro de esteatose hepática, redução da resposta inflamatória e melhora da capacidade antioxidante do fígado. A atividade antioxidante deve-se primordialmente do gingerol e shogaol. O 6-gingerol vem sendo fonte de pesquisa no tratamento de tumores, pois acredita-se que ele age diretamente no gene da apoptose celular, regulando células com genes tumorais. Já o 8-gingerol e o 10-gingerol reduzem a proliferação de células tumorais da fase G1 de câncer de mama.

Os compostos que estão presentes no gengibre têm se mostrado mais potentes que os medicamentos anti-inflamatórios não esteroidais e com menos efeitos adversos. Os grandes responsáveis pela ação anti-inflamatória do gengibre são os gingerois e os shogaols que diminuem a síntese das prostaglandinas suprimindo a ação das enzimas ciclo-oxigenase (COX-1 e 2) que é a enzima responsável pelo desencadeamento dos processos inflamatórios e pela produção de prostaglandinas. De acordo com estudos realizados recentemente os componentes do gengibre potencialmente inibem a síntese de citocinas pró-inflamatórias como o fator de necrose tumoral (TNF-a), interleucina (IL-1 e IL-8), das prostaglandinas e leucotrienos tendo o efeito na modulação da inflamação (MALUJIH et al., 2013).

Existem evidências contundentes para o gengibre e seus diversos efeitos funcionais, principalmente em relação a redução da inflamação por meio de marcadores biológicos, porém ainda se faz necessário o aprofundamento dos estudos nesse promissor campo de pesquisa.

Se você se interessou por esta área,
saiba mais sobre a
Pós Graduação em Nutrição Clínica e Funcional

REFERÊNCIAS

FOUDAH, A. I. et al. Determinação simultânea de 6-shogaol e 6-gingerol em vários extratos de gengibre (Zingiber Officinalle R.) e formulações comerciais usando um método de densitometria RP-HPTLC verde. 2020.

LIU, Y.; LIU, J.; ZHANG, Y. Progresso da pesquisa sobre constituintes químicos de Zingiber Officinalle Roscoe. 2019.

MAHLUJI, S. et al. Anti-inflammatory Effects of Zingiber Officinalle in type 2 Diabetic patients. Tabriz, Iran. 2013.

MAO, Q. Q. et al. Compostos bioativos e bioatividades do Gengibre (Ginziber Officinalle Roscoe). 2019.

NICÁCIO, G. L. S. et al. Breve revisão sobre as propriedades fitoterápicas do Zingiber Officinalle Roscoe – O gengibre. Minas Gerais. 2018.

SUS CAMPINAS, SP. Plantas medicinais 1º edição. 2018.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.