Desafios na Gestão de Pessoas em Home Office no Momento de Pandemia

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Este trabalho tem como finalidade explanar sobre a importância da Gestão de Pessoas com os colaboradores em Home Office, os desafios encontrados no controle, acompanhamento e aspectos motivacionais.

Este texto é fruto da disciplina de Pós-Graduação “Produção e Inovação Científica” ministrada como último módulo para a formação dos alunos da Laboro. Nela, os alunos aprendem como aplicar conceitos e ferramentas de forma assertiva e criativa para fomentar a inovação na ciência.

Autor: Lilia Cristina Martins Oliveira, aluna do MBA em Gestão de Pessoas e Liderança.

Para frear os avanços do coronavírus, o isolamento social diminuiu significativamente o movimento no comércio em geral. Porem, muitos estabelecimentos não parou de funcionar. A alterativa foi se reinventar para atender os clientes diante de um novo cenário. De portas fechadas, a oportunidade de novas possibilidades com o atendimento à distância.  A gestão de colaboradores em Home Office ganhou uma atenção especial.

É claramente entendido pelos empresários que a manutenção da competitividade das organizações em mercados altamente dinâmicos e globalizados demandam alicerces de novos desenhos de estrutura capazes de oferecer agilidade e flexibilidade (MARTINS; HONÓRIO, 2012).

Com as novas tecnologias, a mobilidade telefônica, notebooks e da Internet estão permitindo que pessoas trabalhem remotamente, a partir de casa, na estrada, ou de qualquer local (KUGELMASS, 1996).

O grande desafio vem na gestão de pessoas, pois, é de sua responsabilidade fazer gestão das necessidades do colaborador, das metas da empresa e também favorecer novos recursos, tanto motivacionais como tecnológicos, para que os trabalhadores possam desenvolver sua capacidade com o trabalho remoto.

O controle e acompanhamento ficam mais complexos. O trabalhador desenvolverá as suas atividades em casa com o cumprimento das metas de acordo com as necessidades do empregador e satisfazendo suas próprias necessidades, estabelecendo metas próprias.

Segundo Nogueira (2002), para que estes fatores sejam trabalhados da melhor forma e respeitando as relações trabalhistas, as funções de recursos humanos veem passando por evoluções, deixando a antiga função de departamento de pessoal para uma função mais sistêmica e estratégica na empresa. As ações estratégicas e mudanças organizacionais iniciadas no presente pelas organizações poderão levar essas mesmas organizações a uma situação mais cômoda no futuro diante de seus concorrentes (HAMEL; PRAHALAD, 1995).

Martins e Honório (2012), concluíram que organizações bem sucedidas são aquelas que proporcionam às pessoas um ambiente de trabalho acolhedor e agradável, onde elas possuem plena autonomia. Funcionário ocupando um espaço físico no escritório já não é sinônimo de produtividade. A flexibilidade no trabalho passa a ter um novo entendimento.

O Home Office pode ser visto como uma forma de flexibilização, abrangendo três dimensões, onde a primeira seria o local, pois não existe mais um único local e sim vários locais onde o funcionário poderia exercer a sua função; a segunda dimensão está exatamente na flexibilização do horário de trabalho ou do tempo que o funcionário pode se dedicar a tarefa; e terceira dimensão relaciona-se com o meio de comunicação, uma vez que os dados e informações podem circular através de e-mails, internet, redes sociais, telefones, entre outros (MELLO, 1999; ROSENFIELD E ALVES, 2005).

Nessas novas modalidades de trabalho, os gestores de pessoas precisam realizar suas atividades de gestão, coordenação e controle também de maneira remota. Sob o aspecto dos processos de gestão, tais como seleção, treinamento, desenvolvimento, controle de atingimento das metas, avaliação de desempenho, motivação e planos de cargos e salários entre outros aspectos, a condição das relações de trabalho na modalidade remota traz diversos desafios aos gestores.

A comunicação remota é à base da construção desta relação de trabalho entre funcionário e gerente, e permite ao gestor avaliar o desempenho, dar feedbacks e até traçar estratégias para o autodesenvolvimento  profissional, como dos trabalhadores que estão sob sua responsabilidade. O fato é que o trabalho remoto pode trazer benefícios, mas também, desafios às organizações, aos gestores, aos trabalhadores e a sociedade de um modo geral.

Para os colaboradores, a possibilidade de uma nova ferramenta de equilíbrio entre a sua “qualidade” de vida tanto profissional quanto pessoal. A modernização da tecnologia está mudando a forma de executar os trabalhos, dos mais simples aos mais complexos, possibilitando ao trabalhador ter oportunidade de adquirir novas competências e habilidades, viabilizando flexibilidade em relação ao tempo e ao espaço na organização.

Se você se interessou por esta área,
saiba mais sobre o MBA em Gestão de Pessoas e Liderança.

REFERÊNCIAS

MARTINS, A. A. V.; HONÓRIO, L. C. Clima organizacional: uma questão estratégica de desenvolvimento em benefício da produtividade. Revista Pensar Gestão e Administração, v.1, n. 2, 2012

KUGELMASS, J. Teletrabalho: novas oportunidades para o trabalho flexível. São Paulo: Atlas, 1996.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo Futuro: Estratégias Inovadoras para Obter o Controle do seu Setor e Criar os Mercados de Amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

MELLO, A. A. A. O uso do Teletrabaho nas empresas de Call Center e Contact Center multiclientes atuantes no Brasil: estudo para identificar as forças propulsoras, restritivas e contribuições reconhecidas. 278f. Tese de doutorado apresentada à Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2011.

ROSENFIELD, C. L.; ALVES, D. A. de. Autonomia e trabalho informacional: o teletrabalho. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. 54, n. 1, p. 207-233, 2011

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A importância das evoluções da Enfermagem

Esse resumo trata se de um estudo referente a análise da importância da prática correta. Como ausência de informações, coletar dados, acompanhamento da prescrição e