Comunicação Interpessoal

Você já pensou na importância da comunicação interpessoal no dia a dia, inclusive, em um ambiente organizacional? Trata-se de considerar a maneira como as pessoas se posicionam no papel de emissor ou de receptor em uma mensagem, por exemplo, na gestão das atividades em um fluxo organizacional. Nesse ponto, será que comunicação pode ser definida como o processo que se realiza pela interação de pessoas que se inter-relacionam a partir de um contexto? Sim, é possível entendê-la a partir deste enfoque. 

A minha comunicação interpessoal é adequada?

Neste texto, abordarei brevemente dois aspectos importantes pertinentes a temática: os códigos culturais e o estado emocional (alegria, raiva, medo, entre outras emoções).  Ambos aspectos sofrem influencia do contexto, seja no bate-papo descontraído com colegas de trabalho, na condução de uma reunião ou, então, em uma entrevista de seleção de pessoal.

A cultura é fator determinante como orientador da comunicação, na medida que são os códigos culturais que norteiam os comportamentos sociais. Em outras palavras, cada cultura tem o seu referencial de valores, como as características inerentes a uma sociedade mais individualista (sucesso pessoal em primeiro lugar etc.).

A relação com o ambiente (amigável ou hostil), a orientação em relação ao tempo (curto ou longo prazo) e o comportamento (responsável ou negligente), são dimensões culturais que influenciam amplamente a forma como as pessoas interagem no dia a dia e, naturalmente, como se comunicam.

Comunicação interpessoal e estado emocional

Que se reflete, por exemplo, no tom de voz. Para nos comunicarmos eficientemente (ou seja, sermos ouvidos e compreendidos), algumas técnicas ajudam. Destaco a linguagem falada a partir de algumas dicas, enumeradas a seguir.

Controle a respiração: experimente respirar profundamente e soltar o ar devagar.

Volume: existe um volume adequado para cada situação. Procure também um tom de voz agradável, porque se a sua voz estiver muito alta, poderá transmitir nervosismo.

Hesitação: pausas semelhantes a “como” e “umm” podem ser consideradas hesitação, assim como as pausas longas em momentos inapropriados.

Velocidade: falar muito depressa poderá transmitir a ideia de que você está nervoso(a), com pressa ou que não quer ser interrompido. Semelhante fato a tornará uma pessoa inacessível. Falar devagar também traz problemas, como o de criar uma imagem de que você não está seguro de si ou da sua informação. 

Sobrecarga de informação: quando as pessoas tem mais informações do que conseguem organizar e armazenar, elas tendem a selecionar, ignorar ou esquecer essas informações.

Independente da plateia ou situação, tente colocar-se no lugar do outro, acreditando que o receptor tem direito a uma comunicação eficiente. Busque o autodesenvolvimento para semelhante intento, por meio da análise de suas atitudes, motivações e reações. Saiba que sentimentos de contribuição e compromisso são pontos fortes das pessoas confiantes em si mesmas, ou seja, elas compreendem que a vida é vazia se não somos úteis.

Acesse nossas redes, consulte nossos cursos, se inscreva em nosso canal no YouTube faça parte da Faculdade Laboro

Autora:

Prof. Ma. Suzana Maria de Oliveira

Professora da Faculdade Laboro

Mestra em Psicologia pela Universidade Federal do Maranhão. Graduada em Psicologia e Especialista em Recursos Humanos, ambos pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Formanda no curso de Administração de Empresas – EAD. Professora universitária e sócia-proprietária de empresa em consultoria empresarial.

[email protected]

Gostou do tema?
Que tal ter formação na área em uma Faculdade que te leva ao Sucesso? Conheça o curso de  Recursos Humanos da Faculdade Laboro
Já é Graduado?
Conheça os Cursos de Pós Graduação Presencial e Online da  Faculdade Laboro

REFERÊNCIAS

INSTITUTO BRASILEIRO DE COACHING. Como o estado emocional pode influenciar o desempenho profissional. Equipe IBC. 23 mar. 2019. Disponível em: https://www.ibccoaching.com.br. Acesso em: 12 mar. 2021.

KUNSCH, Margarida Maria K. (Org.). A comunicação como fator de humanização das organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2010.

STEPHEN, Robbins. Fundamentos do comportamento organizacional. 8. ed. São Paulo: Pearson, 2009.

2 Comments:
maio 10, 2021

Caramba que legal saber sobre coisas que nos fazem abrir mais a mente sobre o tema, ótimo artigo!

maio 11, 2021

Que ótimo, Raphael. Ficamos felizes que tenha gostado! Continue nos acompanhando por aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Edital Monitoria- Estética & Cosmética

Edital Monitoria – Estética & Cosmética Faculdade Laboro informa aos interessados que se encontram abertas as inscrições para o Programa de Monitoria que tem por