Mestrado Internacional: “Alfabetização em uma instituição hospitalar: um estudo de caso sobre o processo da alfabetização de crianças hospitalizadas em São Luís – MA”

Com o tema “Alfabetização em uma instituição hospitalar: um estudo de caso sobre o processo da alfabetização de crianças hospitalizadas em São Luís-MA”, Raylanne Santos Barbosa finaliza seu Mestrado Internacional em Ciências da Educação – Administração e Organização Escolar da Universidade Católica Portuguesa (UCP) em parceria com a Faculdade Laboro.

Raylanne é graduada em enfermagem pela Faculdade do Maranhão (2012). Possui pós graduação em Gestão e Docência do Ensino Superior pela Faculdade Laboro (2018). E agora é mestre em Ciências da Educação, Administração e Organização Escolar pela Universidade Católica Portuguesa – UCP (2020). Tem experiência na área de Enfermagem, Home Care, Cuidado com Idosos, com ênfase em docência em Enfermagem.

“Voltar para a sala de aula foi uma experiência incrível e estudar no exterior é um desafio (seja financeiro, emocional ou pessoal) que, quando terminamos, acreditamos ainda mais na nossa força de vontade e na nossa capacidade. Tive alguns desafios, dentre eles: o sotaque português, a dificuldade de me achar na nova cidade (pois juntamente com o mestrado decidi mudar de país, vindo assim morar em Portugal), ou o dinheiro apertado para pagar as mensalidades (propinas). Mas no final, tudo com certeza valeu muito a pena! Ter tido uma experiência em uma universidade internacional foi sem dúvidas uma das maiores alegrias da minha vida. E agora, é seguir a vida por aqui do outro lado do mundo e, quem sabe, me aventurar no doutorado.”

Resumo do trabalho:

O adoecer faz parte da vida. Todavia, algumas doenças levam à hospitalização, afetando a vida das pessoas durante um determinado período de tempo. A situação fica mais grave quando o paciente é uma criança, causando a hospitalização, pois, além de ocasionar uma debilidade física, pode haver prejuízos nas etapas de desenvolvimento mais importantes da vida. A pesquisa parte do princípio de que, no caso de tratamento oncológico as crianças ficam no hospital internadas em tempo prolongado. Logo na primeira consulta, a criança é submetida a uma série de exames dolorosos e já fica pelo menos três dias no hospital, quebrando então sua rotina escolar. Diante disso, o presente trabalho trata sobre a alfabetização de crianças hospitalizadas. O processo de alfabetização se inicia desde muito cedo, antes mesmo da criança frequentar uma escola. É um processo decisivo na vida da criança visto que através dele a mesma começa a desenvolver habilidades na leitura e na escrita. É o momento em que a criança descobre esse universo e, concomitante, o prazer de compreender e apropriar-se desse mundo. Tem-se como problema que instiga a investigação: de que maneira acontece o processo de alfabetização das crianças em ambiente hospitalar? A pesquisa se justifica pela necessidade de maior compreensão sobre as possibilidades de alfabetização de crianças hospitalizadas, além de contribuir para a produção do corpo de conhecimentos tanto na saúde como na educação, possibilitando uma reflexão sobre a importância da classe hospitalar, da brinquedoteca e de apontar a grande lacuna científica existente nessa temática. Para tanto, esse estudo tem como objetivo geral: analisar o processo de alfabetização das crianças de 5 à 8 anos internadas no Hospital Aldenora Bello, São Luís – MA, e, como objetivos específicos: conhecer a rotina e as ações pedagógicas da classe hospitalar/brinquedoteca; observar como ocorre o processo de alfabetização das crianças hospitalizadas; Identificar os métodos educativos utilizados pela equipe do hospital na alfabetização das crianças; avaliar a opinião dos profissionais que atuam na alfabetização hospitalar. Trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa. A pesquisa foi realizada na ala pediátrica de um hospital pioneiro no tratamento do câncer no estado do Maranhão. Participaram da pesquisa profissionais e voluntários que atuam na alfabetização das crianças de 5 a 8 anos. A brinquedoteca do hospital consiste em um ambiente alegre e bem decorado, que realiza atividades durante a semana (segunda a sexta feira) no período matutino e vespertino por meio dos voluntários. As atividades ali realizadas promovem o bem-estar das crianças, interação social e estimulam o desenvolvimento psicomotor. Os voluntários e profissionais unanimemente concordaram que é importante que as crianças sejam alfabetizadas, e que as atividades realizadas na brinquedoteca e na sala de aula durante o período de internação têm o poder de transformar o ambiente hospitalar. Relataram também que os turnos matutinos e vespertinos são os melhores horários para ofertar esse atendimento educacional. Os participantes da pesquisa apontaram que todas as crianças devem receber o atendimento, e o mesmo deve ocorrer de preferência em ambiente especifico, porém, para as crianças que estão em isolamento ou com dificuldade de locomoção o atendimento é ofertado no leito.

Palavras-chave: Processo de Alfabetização. Pedagogia Hospitalar. Crianças Hospitalizadas.

Para ler o trabalho completo é só clicar aqui.

Em breve estaremos com matrículas abertas para o mestrado, saiba mais no link.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *