Vivemos em uma era de abundância, tanto de alimentos quanto de informação. O terrorismo nutricional é a forma de aterrorizar a população em relação aos alimentos e às práticas individuais, em que os momentos diários de comer viraram algo estressante e carregado de culpa, uma relação de amor e ódio com a comida.

Este texto é fruto da disciplina de Pós-Graduação “Produção e Inovação Científica” ministrada como último módulo para a formação dos alunos da Laboro. Nela, os alunos aprendem como aplicar conceitos e ferramentas de forma assertiva e criativa para fomentar a inovação na ciência.

Autora: Isis Lemos de Queiroz aluna da Pós- Graduação em Nutrição Esportiva, Funcional e Fitoterápica

Orientadora: Profa. Dra. Iolanda Bezerra dos Santos Brandão

Atualmente com a evolução das mídias, propagandas, marketing e interação social os indivíduos passaram a sofrer cada vez mais pressão da sociedade para se enquadrarem em padrões aceitáveis de beleza, essa busca desenfreada pela estética perfeita e emagrecimento em curto prazo acabam levando as pessoas a seguirem dietas sem critério, sem atenção profissional, e altamente restritiva que são disponibilizadas em sites, revistas, redes sociais ou até prescritas por pessoas não autorizadas.

Os alimentos passam então a serem classificados em alimentos bons ou ruins, que se forem ingeridos farão um milagre ou colocarão nossa saúde em risco, e esse é o terrorismo da nutrição, que demoniza ou santifica os alimentos. Diante disto, a população desenvolve distúrbios alimentares, alteração de aceitação e baixa autoestima, desenvolvimento de compulsão alimentar ou restrições acompanhadas de atos compensatórios.

Em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Universidade de São Paulo (USP), o Ministério da Saúde elaborou o Guia Alimentar para a População Brasileira, publicada em novembro de 2014, instrumento para apoiar e incentivar práticas alimentares saudáveis no âmbito individual e coletivo, bem como para subsidiar políticas, programas e ações que visem a incentivar, apoiar, proteger e promover a saúde e a segurança alimentar e nutricional da população.

De acordo com o guia a alimentação é mais do que a ingestão de nutrientes, “Alimentação diz respeito à ingestão de nutrientes, mas também aos alimentos que contêm e fornecem os nutrientes, a como alimentos são combinados entre si e preparados, às características do modo de comer e às dimensões culturais e sociais das práticas alimentares. Todos esses aspectos influenciam a saúde e o bem-estar.” Os passos para uma alimentação saudável estão disponíveis online, através do site:   http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf

Mudar o comportamento alimentar não é uma tarefa fácil, portanto é necessário que haja o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar com especialistas de diversas áreas, trabalhando em equipe, composto por nutricionistas, psicólogos e médicos capacitados para o atendimento dos pacientes que se encontram em vulnerabilidade em consequência desse terrorismo difundido na população, a fim de tratar ou evitar consequências irreversíveis na saúde.

Se você se interessou por esta área se especialize, saiba mais sobre a nossa pós-graduação em Nutrição Esportiva, Funcional e Fitoterápica clicando AQUI.

REFERÊNCIAS

Deram, S. O Peso das Dietas – Emagreça de forma sustentável dizendo não às dietas! São Paulo: editora sextante, 2018.

TERRORISMO Nutricional. Direção: Rafael Figueiredo. Produção: Christovão Paiva. Roteiro: Marcela Morato. Rio de Janeiro: Canal Saúde Fiocruz, 2017, 1 vídeo, MPEG-4, (26min53s), son., color. (Ligado em Saúde).

BRASIL. Ministério da SaúdeGuia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde, 2ª edição. 1ª reimpressão. Brasília — DF. 2014.

Ministério da Saúde. Blog da saúde. Disponível no site http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/52504-guia-alimentar-10-passos-simples-para-uma-alimentacao-saudavel. Acessado dia 21/05/2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como se aprende a Ensinar

Como se Aprende a Ensinar?

  Para se refletir sobre “Como se aprende a ensinar” é necessário perguntar se “ensinar é o mesmo que ser professor?”. Como se sabe a